7 de maio de 2021
Início / Notícias / TIMBAÚBA: Dois dias após mulher falecer depois do parto, outra paciente morre horas após dar à luz na mesma maternidade
Arte em Festa
Amanda Ramos morreu horas após o parto, em Timbaúba, na Zona da Mata de Pernambuco — Foto: Reprodução/WhatsApp

TIMBAÚBA: Dois dias após mulher falecer depois do parto, outra paciente morre horas após dar à luz na mesma maternidade

Parto de Amanda Ramos ocorreu na sexta-feira (30), dois dias depois que a vendedora Amanda Lorraine Gonçalves de Lima faleceu após uma cesariana, em Timbaúba. Família da paciente do segundo caso diz que o mesmo médico fez os dois partos.

Mais uma mulher morreu horas após dar à luz na Maternidade Doutor Tito Ferraz, que fica no Hospital Memorial Doutor João Ferreira Lima, em Timbaúba, na Zona da Mata. O parto foi feito na sexta-feira (30), dois dias depois que a vendedora Amanda Lorraine Gonçalves de Lima, de 23 anos, faleceu após uma cesariana realizada na mesma unidade de saúde.

A segunda morte foi a da dona de casa Amanda Ramos de Melo, de 34 anos. De acordo com a família, o parto dela foi feito na rede particular, diferente da mulher do primeiro caso, que teve a filha por meio de um convênio com a prefeitura. A parceria, segundo a gestão municipal, foi suspensa após os óbitos.

Durante o procedimento, o médico responsável pelo parto de Amanda Melo faria uma laqueadura por meio de uma ligadura das trompas. No entanto, foi realizado um procedimento chamado histerectomia, que é quando o útero é retirado por completo.

“Ela estava com 40 semanas, teve uma gravidez comum, era saudável e fez o pré-natal. Os problemas já começaram com a histerectomia, que não foi combinada com ela. O médico foi o mesmo do outro caso em que a mulher morreu dois dias antes. Ela saiu da sala de cirurgia e foi para o quarto. Amamentou o filho e aí passou a ter hemorragia e paradas cardiorrespiratórias”, disse a prima de Amanda Ramos, a bacharela em direito Karla Rayane Prazeres.

O bebê, chamado Lucas Miguel, foi o segundo filho de Amanda Ramos. Ele passa bem e não teve nenhum problema após o nascimento. A mulher morava em Carpina, também na Zona da Mata, e decidiu fazer o parto no hospital de Timbaúba para fazer a laqueadura.

“A maternidade não tem Unidade de Terapia Intensiva e não tem condições de fazer um procedimento desse tipo. Ainda em Timbaúba, decidiram transferir ela para o Hospital das Clínicas, no Recife. Mas, antes disso, logo que ela entrou na ambulância, piorou e precisou ser levada para a UPA de Timbaúba. De lá, foi transferida para o Hospital Ermírio Coutinho, em Nazaré da Mata. Lá ela morreu”, disse a prima da mulher.

A morte das duas Amandas ocorreu horas depois de dar à luz. Nos dois partos, as famílias denunciam terem sido vítimas de negligência por parte do hospital. No primeiro caso, a família afirmou que a mulher foi vítima de negligência por ter ficado seis horas passando mal, sem atendimento médico. A Polícia Civil investiga o caso como “morte a esclarecer”.

O corpo de Amanda Ramos foi levado para uma unidade de saúde de Carpina e, posteriormente, foi encaminhado ao Instituto de Medicina Legal, no Centro do Recife, onde passou por perícias. O enterro ocorreu na tarde deste sábado (1º), no Cemitério de Carpina.

Sobre esse segundo caso, a Polícia Civil informou que não localizou “o registro de ocorrência com os dados fornecidos”. O G1 também entrou em contato com o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe), mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem.

O advogado Gilderson Correia, que acompanha os dois casos, disse que vai solicitar à Justiça a interdição da maternidade. “O Ministério Público precisa intervir no fechamento total da maternidade. Vou requerer uma liminar, em tutela de urgência, para que isso não volte a acontecer”, afirmou

A prima de Amanda Ramos contou que a família inteira está desolada e que pretende buscar na Justiça a punição do médico que fez o parto.

“É mais uma perda. Uma mãe sem consolo, duas crianças sem mãe, uma família desamparada e um médico solto, correndo risco de fazer o mesmo com outras famílias. Vamos fazer de tudo para que isso não fique impune, porque é quase que uma obrigação fazer com que isso não se repita”, disse Karla Rayane.
Por meio de nota, a prefeitura de Timbaúba declarou que, “devido à evidente falha no cumprimento no plano operacional acordado com o Instituto Memorial João Ferreira Lima, suspendeu todos os atendimentos públicos de maternidade e cirurgia, por tempo indeterminado, até que o hospital prove, de forma legal, o cumprimento correto e integral do plano”.

A gestão municipal também afirmou que, caso a parceria para atender usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) seja retomada, haverá duas pessoas, 24 horas por dia, fiscalizando o atendimento.

“Mais uma grávida atendida, desta vez pela modalidade particular, perdeu a vida, demonstrando, para nós, que é um problema no atendimento do hospital, seja ele público ou privado”, afirmou a prefeitura, na nota.

O G1 também tentou contato com o diretor do hospital, mas ele não atendeu às ligações até a última atualização desta reportagem.

 

Inscreva-se em nosso canal!

Sobre pbpeisf

PBPE - Informação Sem Fronteira. As principais notícias do Estado da Paraíba e de Pernambuco você encontra aqui. Confira também os destaques locais das duas cidades irmãs, Itambé-PE e Pedras de Fogo-PB. Notícias, política, entretenimento, cultura, eventos, tecnologia, saúde, educação, esportes, oportunidades e muito mais! Serviços, produtos, downloads, humor, links úteis e notícias do Brasil e do Mundo.

Confira Também

Prefeito de Buenos Aires sofre tentativa de assalto em comunidade rural do município.

O prefeito do município de Buenos Aires, Fabinho Queiroz (PSD) foi vítima de uma tentativa …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *